Cão como Nós

Lê alguns excertos da obra.

Descobre mais sobre a obra Kurika, de Henrique Galvão, que inspirou o nome do cão. 

  

 

Sabias que…

… durante o mês de Dezembro, Manuel Alegre é oAutor do mês na biblioteca da ESPBS. Não deixes de visitar a exposição!

Topo

11 respostas a Cão como Nós

  1. Vítor diz:

    Espero que o livro seja interessante de se ler🙂

    O título até agrada, depois veremos o conteúdo, +.+

  2. Mariana diz:

    já li este livro e achei muito interessante. Aconselho a sua leitura a toda a gente.


    Mariana Oliveira

  3. Bárbara Rodrigues diz:

    Cão como nós

    O livro escolhido para este comentário foi «Cão como nós» de Manuel Alegre.
    Este livro relata a história de um cão, Kurika, que muitas vezes não agia como um cão, mas como uma pessoa, considerando-se um elemento da família que tomava conta dele. Como o próprio autor diz “Não era um cão como os outros. Era um cão rebelde, caprichoso, desobediente, mas um de nós, o nosso cão, um cão que não queria ser cão e era um cão como nós”.
    Esta história é um pouco triste pois Kurika já morreu mas mantém-se vivo na memória do autor que o reanima, dando assim um tom de saudade às suas palavras.
    Gostei especialmente deste livro, pois dele podemos tirar uma lição de vida. Para além de nos transmitir o respeito que devemos ter pelos animais também nos mostra maneiras de aprendemos a lidar com o sofrimento de ter «perdido» alguém que nos era querido. Enquanto nos recordarmos dos que nos deixaram eles estarão sempre presentes e vivos em nós.
    É algo importante que vou reter deste livro.
    Contudo, o livro tem os seus momentos engraçados, como a relação que Kurika mantêm com o seu dono. Apesar de ao ínicio não terem uma grande proximidade acabam por ser como um só.
    É bonita essa evolução. Mostra-nos a adaptação do cão ao dono e vice-versa.
    É um livro pequeno, fácil de ler, fácil de compreender e com uma história muito bonita. Recomendo a leitura.

    Bárbara Rodrigues nº7 , 11ºC

  4. Andreia Mendes - 12º B diz:

    Eu já li a obra e achei-a muito interessante. Para além de ser curta e de fácil leitura, mostra-nos a ligação de familiaridade que o homem tem com os animais. Num mundo, dizem os especialistas, cada vez mais egoísta para com os animais, por exemplo, no aumento de abandono destes na altura das férias pois tornam-se um estorvo para muitos dos seus donos, tem-se um animal apenas por ser moda. Contudo, nesta obra temos uma história completamente contrária.
    Um cão chamado Kurika que para os seus donos não agia como cão mas como pessoa, um verdadeiro familiar, que como todos tem defeitos e qualidades. Este vingava-se, era gozão, caprichoso, brincalhão, carinhoso e é assim relembrado pelo seu dono mesmo depois de morto.
    Este livro descreve a relação que, felizmente e contra todas as estatísticas, alguns donos estabelecem com os seus animais domésticos.
    Se, como eu, não tens um animal, a leitura da obra deixa-te uma vontade imensa de ter para sentir esta proximidade tão forte como a do autor do texto com o seu Kurika, que apesar de inicialmente ter os seus distúrbios foi evoluindo positivamente.

    Boas leituras!
    Andreia Mendes, 12ºD

  5. Marlene Sousa diz:

    O livro “Cão como Nós” de Manuel Alegre foi um livro muito fácil de ler e rápido, mas em pouco tempo de leitura aprende-se muito, nomeadamente a relação de afeição que podemos ter por um animal ao ponto de o considerarmos como da família.
    Kurika, era como se chamava o cão, era teimoso, brincalhão, desobediente, meigo. Tinha uma relação com o dono um pouco complicada no início, até se adaptarem um ao outro e saberem como cada um reagia a certas circunstâncias. Achei o final da história triste, pois Kurika morreu, e foi então que se viu como aquele cão era importante para aquela família e o autor conseguiu descrever muito bem como se estava a sentir nessa altura.
    Gostei de ler o livro, penso que foi produtivo e é um tema de que gosto muito, pois adoro animais e para mim foi muito fácil lê-lo. Aconselho a todos os leitores a lerem este livro!!

    Marlene Sousa 12ºA

  6. Cristiana Silva diz:

    Existem livros capazes de nos fazer pensar acerca daquilo que nos é realmente importante… Este é um desses livros.
    “Cao Como Nós” de Manuel Alegra ensina-nos uma improtante liçao. Através da história de Kurika o escritor ensina-nos a respeitar os outros. Mostra-nos a dor de perdermos alguém que nos é querido, mas também nos mostra que é possível manter esse alguém vivo, dentro de nós e na nossa memória…
    Ao lermos a história deste teimoso animal percebemos que nem sempre vemos a beleza das coisas, e que muitas vezes é preciso perde-las para as valorizar realmente!
    De uma forma engraçada e simples o autor ensina-nos a manter em nós tudo e todos aqueles de quem gostamos mostrando-nos assim uma boa forma de ultrapassar a dor da perda…
    É um livro capaz de nos fazer sorrir, capaz de nos fazer sentir tristes, é um livro que nos faz sentir tal e qual como o dono do cao que continua a sentir a sua presença mesmo depois dele ter morrido!
    Sem dúvida que vale a pena experimentar todas estas sensaçoes uma por uma, porque no fim de tudo o sentimento que prevalece é o de amor e amizade incondicional!

    Cristiana Silva
    12ºB

  7. Resolvi fazer de novo o comentário a este livro uma vez que nunca é de mais relembrar a importância de ler e ler bons livros.
    Na minha opinião, “Cão Como Nós” é sem dúvida um bom livro, que ao longo da leitura transmite várias mensagens, desde a importância do animal doméstico de quatro patas (o cão) e o seu contributo no nosso estado de espírito, até ao nosso dever de gratidão para com eles, o que infelizmente em vários casos não se verifica.
    Admito que apenas pelo título não o teria lido, uma vez que nunca pensei que o desenvolvimento da história seria tão interessante. Sendo um livro pequeno, a história podia desenrolar-se demasiado depressa, sem tantos pormenores, contudo isso não acontece.
    Percebemos perfeitamente que Kurika é o cão de uma família unida, com problemas como todas as outras, mas que os resolvem unidas. Contudo desde cedo Kurika deixa de ser um cão para ser mais um elemento da família, o que ele teimava em relembrar a cada momento.
    Um livro de emoções muito pessoais, que leva o leitor a entregar-se por completo à história e a relembrar o bom amigo que temos sempre ao nosso lado quando nos sentimos sozinhos (o cão).
    Assim, deixo mais uma vez a minha opinião, esperando deixar-te com mais vontade de leres este livro.

  8. Ana Cunha Nº2 12ºB diz:

    Cão como nós
    Decidi fazer um comentário a esta obra porque esta me marcou bastante.
    No desenrolar desta acção Kurica, um cão, que nem sempre se comportava como tal, por vezes tinha comportamentos humanos. Queria ser tratado como um humano. Como nós.
    Kurica vivia com uma família, a sua e do autor, Manuel Alegre. Para o autor era como um membro da família. Tal como o autor, Kurica também se sentia membro da família, não como cão, o animal de estimação, mas como pessoa.
    Quando este morreu, o seu dono continuou a vê-lo e a falar com ele. Este facto despertou em mim alguns sentimentos como saudade, compreensão e vontade de eu própria fazer o que o autor fazia. Com uma pessoa, não um animal de estimação, que também já morrera.
    Por isso esta marcou-me bastante neste sentido.

  9. Rosa Oliveira, 12º B diz:

    A leitura deste livro proporcionou-se, uma vez que estava inserido nos livros necessários a ler para a primeira eliminatória do Concurso Nacional de Leitura, porém logo se revelou uma agradável surpresa. Gostei muito de ler o livro “Cão como nós” visto que este tem uma linguagem de fácil compreensão e conta a bonita história da relação de um homem com o seu animal de estimação chamado Kurika. Este livro demonstra assim de uma forma incrível a relação que um ser humano pode ter com um animal.
    Ao longo da obra, o autor vai-nos demonstrando o quanto é especial e importante para si a relação que mantém com o cão, pois para si ele é como se fosse um deles, um elemento da família e este pressentia quando algo não estava bem, quando a sua família não estava bem. O autor descreve-nos o cão como sendo caprichoso, preguiçoso mas ao mesmo tempo carinhoso e único.
    O livro desperta-nos para um grande valor moral que é ajudar os animais e cuidar deles, não usufruir deles apenas quando necessitam, abandonando-os com desprezo, como se verifica tantas vezes. Foi sem dúvida um exemplo de leitura que mudou a minha visão sobre o mundo.
    Aconselho vivamente a sua leitura!

    Rosa Oliveira, nº25 12º B

  10. Raquel Portela diz:

    Existem livros que nos cativam, livros que nos prendem a atenção, livros que não esquecemos…e este é sem dúvida um desses livros.
    Um livro, aparentemente, simples e sem grande enredo, pode sem dúvida tornar-se num livro que nos ensina muito e que nos deixa algo em mente. “Cão como nós” traz-nos a história de um cão que não era apenas isso, era membro de uma família e companheiro de aventuras. Contudo, no livro, são descritos alguns dos momentos que toda a família tem na sua memória pois Kurika já tinha falecido. Estes momentos fazem-nos perceber o quanto Urika era de facto importante na vida familiar de todos os que viviam na mesma casa que ele e fazem-nos entender que nem sempre um animal de estimação é por si só isso mesmo, é algo mais, algo que quando se vai embora pode deixar mágoa e até tristeza!
    Sinceramente, pelo título não teria lido o livro, pois inicialmente julguei que se tratava de algo menos apropriado para a minha idade mas, como a professora de Português o aconselhava a ler, julguei logo qe dali iríamos tirar uma boa lição de vida.
    Aconselho a leitura do livro pois trata-se de um livro com linguaguem bastante acessível e além disso não é muito grande.

    Raquel Portela, 12ºA

  11. “Cão como nós”, de Manuel Alegre, é um magnífico livro, que nos leva a reflectir sobre a importância que os animais têm na sociedade, mais propriamente no seio de uma família.
    Teimoso e irrequieto são os adjectivos que melhor caracterizam “Kurica”, que ao longo da história vai mostrando as suas diferenças entre os cães comuns. Este cão possuía um “dom”, pois conseguia sentir tal como os humanos. Para mim, o autor pretende mostrar a importância que ele tinha para a sua família, pois através dos sentimentos expressos por Kurica, realça as emoções e relações, até mesmo de entreajuda entre os elementos da família.
    Para mim, o autor escreveu este livro como uma homenagem ao cão, pois ele recorda-o como se fosse um filho, dedicando-lhe este livro por tudo aquilo que lhe ensinou e também pelos momentos felizes que passaram e que recorda com saudade.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: